Atendimento Espiritual

Diretor: Mauro Antônio dos Santos E-mail: aece@usesp.org.br

  • 1º secretário: Fernando Porto
  • 2º secretário: Renata Duarte

O que é o Departamento :

O AECE é o departamento de Atendimento Espiritual no Centro Espírita

Quais são seus objetivos ?

Atuar junto aos Órgãos Locais no sentido de sensibilizar os trabalhadores das demais áreas de trabalho da instituição e os trabalhadores envolvidos com o Atendimento Espiritual para a necessidade de sistematizar as tarefas do atendimento espiritual no centro espírita, prestando assessoramento no processo de capacitação de equipes, reunindo e elaborando material de estudo e trabalho, pertinentes às atividades nele compreendidas.

Qual a estrutura do departamento ?

Atualmente o Departamento do AECE da Estadual possui um Diretor e dois Secretários.

O Atendimento Espiritual no Centro Espírita abrange as seguintes atividades:

  • Recepção
  • Atendimento Fraterno pelo Diálogo
  • Explanação do Evangelho à Luz da Doutrina Espírita
  • Atendimento pelo Passe
  • Irradiação
  • Evangelho no Lar e no Coração

Quais são as principais atividades e trabalhos do departamento ?

a) Estimular e assessorar a capacitação dos dirigentes e trabalhadores espíritas, para o correto entendimento de cada área abrangida pelo atendimento espiritual no centro espírita, quais sejam: recepção, atendimento fraterno pelo diálogo, atividade de explanação do evangelho à luz da Doutrina Espírita, atendimento pelo passe, irradiação, evangelho no lar e no coração e implantação do evangelho no lar, assim como para a percepção de seu inter-relacionamento e integração com as realidades existentes;

b) contribuir na melhoria das atividades do atendimento espiritual que já estão sendo realizadas nos centros espíritas;

c) elaborar e publicar material de trabalho tais como: apostilas, slides, impressos, folder etc., embasado nas obras básicas e complementares, para atender as atividades dos vários setores do atendimento espiritual.

Recepção

Finalidade:

Consiste em receber fraternalmente os que chegam ao Centro Espírita, especialmente os que chegam pela primeira vez, esclarecendo, orientando, informando sobre as atividades, reuniões e cursos realizados na Casa.

Participantes

  • Um coordenador para estruturar, capacitar e coordenar a equipe de recepção para cada reunião/atividade.
  • Uma equipe de recepção escalada em numero suficiente para atender a demanda de cada reunião/atividade.

Desenvolvimento

  • Cumprimentar e dar boas vindas.
  • Colocar-se a disposição para eventuais informações.
  • Colocar aquele que chega à vontade, sem constrangê-lo com muitas perguntas.
  • Orientar sobre o funcionamento e instalações do Centro Espírita, disponibilizando os diversos tipos de atividades e cursos oferecidos.
  • Responder duvida e indagações, de maneira clara, objetiva, direta, concisa, imprimindo afetividade, naturalidade e segurança.
  • Encaminhar o visitante à área desejada ou à pessoa que possa de maneira mais especifica auxiliá-lo.

Recomendação

Selecionar e capacitar, continuamente, os colaboradores que tenham um perfil adequado para a tarefa e conhecimento doutrinário, maturidade emocional, bom senso, simpatia, alegria naturalidade e segurança.

Atendimento Fraterno pelo Diálogo

Conceito
Consiste em receber fraternalmente aquele que busca o Centro Espírita, dando-lhe a oportunidade de expor, livremente e em caráter privativo e sigiloso, suas dificuldades e necessidades.

Finalidade
Acolher de forma fraterna e solidária dentro dos princípios da Doutrina Espírita, ouvindo e orientando aquele que:
·     Deseja fazer uma visita e/ou integrar-se às atividades do Centro Espírita
·     Deseja receber ajuda material e/ou espiritual
·     Deseja informação ou estudo
·     Tem interesse em conhecer a Doutrina Espírita e o trabalho espírita.

Participantes
·     Um coordenador para organizar, capacitar e coordenar a equipe para a atividade.
·     Uma equipe em número suficiente para atender a demanda das atividades de recepção, encaminhamento e diálogo.
·     Os que buscam esclarecimento, amparo, orientação ou consolo.

DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES

Acolhimento:
Acolher fraternalmente quem chega, identificando o motivo de sua vinda e oferecendo-lhe os recursos de que o Centro Espírita dispõe para atendê-lo na sua necessidade: cursos, reuniões, evangelização da criança e do jovem e outros.

Diálogo fraterno:
·     Receber o visitante, ouvindo-o e identificando-lhe os problemas, carências ou aspirações, orientando-o segundo os princípios da Doutrina Espírita.
·     Reerguer a auto-estima e a esperança, esclarecendo-o de que, com apoio espiritual, somente ele poderá mudar o quadro de sua preocupação, através da própria posição mental e renovação íntima.
·     Orientar, sempre, para a necessidade da realização do Evangelho no Lar e no Coração, estimulando-o para o desenvolvimento do hábito da leitura saudável e para o estudo, sugerindo os livros adequados da Codificação Espírita e obras complementares.
·     Após as devidas orientações, se necessário, encaminhá-lo para a reunião de explanação do Evangelho e para o passe.

Encaminhamento:
Quando for o caso, encaminhar o atendido para as palestras, reuniões, cursos ou outras atividades da casa, compatíveis com as suas possibilidades.

Recomendação
Selecionar e capacitar, continuadamente, os colaboradores que tenham um perfil adequado para a tarefa: conhecimento evangélico-doutrinário, maturidade emocional, bom senso, empatia, alegria, afetividade, naturalidade e segurança.

Explanação do Evangelho a Luz da Doutrina Espírita

Conceito
É uma reunião pública para a explanação do Evangelho à luz da Doutrina Espírita, de maneira programada e com uma sequência de trabalho previamente estabelecida.

 Finalidades
a) Analisar e expor ao público presente, de forma simples e objetiva, o conteúdo de O Evangelho segundo o Espiritismo,destacando os ensinos morais do Evangelho à luz dos esclarecimentos espíritas;
b) Consolar e esclarecer aos que se acham em dificuldades pela desencarnação de entes queridos, separações, conflitos,doenças, depressões etc.
c) Amparar, erguer e orientar doutrinariamente sobre as causas das aflições e os meios para compreendê-las.

Participantes
a) Um dirigente para iniciar, coordenar e encerrar a reunião;
b) Um colaborador para fazer a leitura de harmonização e/ou prece;
c) Um expositor, para a palestra;
d) Público que busca o esclarecimento e o consolo à luz da Doutrina Espírita.

Desenvolvimento das atividades
a) Preparação: Ler página evangélico-doutrinária para harmonização.
b) Prece inicial: Fazer uma prece concisa, simples, inteligível,objetiva, clara e audível, buscando na sintonia com o Plano Maior a própria harmonização íntima.

c) Explanação: Ler e comentar os itens de O Evangelho segundo o Espiritismo em estudo seqüencial (30 a 35 min).

d) Irradiações: Fazer irradiações (também conhecida por vibrações) em benefício da fraternidade universal, pelo entendimento entre as religiões e pela paz entre os homens.

e) Prece final: Fazer uma prece concisa, simples, inteligível, objetiva, clara e audível, agradecendo a oportunidade do aprendizado, da convivência fraterna e do amparo espiritual.

Recomendações
a) Selecionar e capacitar, continuadamente, os colaboradores que tenham em perfil adequado para a tarefa: – conhecimento evangélico-doutrinário,
– facilidade para falar em público, maturidade emocional, bom senso, simpatia, alegria, afetividade, naturalidade e segurança.

b) Aplicam-se a este item as “Recomendações Específicas” referente ao Capítulo I – Palestras Públicas. Do livro Orientação ao Centro Espírita  que você encontra no site http://www.usesp.org.br

Atendimento pelo Passe

Conceito
O Passe, à luz da Doutrina Espírita, é uma transmissão de energias fluídicas de uma pessoa para a outra pessoa que as recebe, em clima de prece, com a assistência dos Espíritos superiores.

Finalidade
O Atendimento pelo Passe visa a oferecer aos que necessitam e desejam receber os fluidos de reequilíbrio e de paz oferecidos pelos Benfeitores espirituais por intermédio dos colaboradores encarnados,de maneira simples, organizada e com um planejamento previamente estabelecido.

Participantes
a) Um coordenador da tarefa.
b) Aplicadores de passes
c) Um responsável pelo encaminhamento das pessoas.
d) Interessados em receber o passe.

Desenvolvimento das atividades
Ao término da atividade de explanação do Evangelho à luz da Doutrina Espírita:
a) A equipe de trabalhadores do atendimento pelo passe, com seu coordenador, deverá reunir-se no local destinado aos passes(se possível uma sala), para a prece preparatória em conjunto;

b) Fazer o encaminhamento para o local dos passes de um número de pessoas compatível com o número de aplicadores de passe;

c) Mantido o estado de prece, cada aplicador de passe atenderá, individualmente, um assistido;

d) Após o passe, cada atendido poderá receber um copo (individual e descartável) com água magnetizada com as vibrações da prece (também conhecida como água fluidificada), e retirar-se.

e) Após o término dos atendimentos, a atividade será finalizada com uma prece de encerramento, podendo o coordenador indicar alguém do grupo para fazê-la.

Recomendações e observações
a) Selecionar e capacitar, continuadamente, os colaboradores que tenham um perfil adequado para a tarefa: conhecimento evangélico-doutrinário, maturidade emocional, bom senso,simpatia, alegria, afetividade, naturalidade e segurança.

b) Utilizar sala própria ou discretamente isolada, contendo cadeiras para os atendidos, em número correspondente ao de colaboradores.

c) Convidar, antes do início da tarefa, os colaboradores escalados para a aplicação do passe para ouvirem a explanação do Evangelho à luz da Doutrina Espírita.

d) Aplicar o passe com simplicidade, sem gesticulação exagerada ou respiração ofegante, sem bocejo ou articulação de palavras.

e) Evitar o toque direto no atendido, por desnecessário e inconveniente, e a passividade para comunicação mediúnica.

f) As pessoas impossibilitadas de se locomoverem de sua residência poderão receber os benefícios do passe por uma equipe de aplicadores – nunca por uma só pessoa – designada pelo coordenador da atividade.

g) Utilizar música suave no ambiente.

Irradiação

Conceito
É uma reunião privativa de vibração em conjunto para irradiar energias de paz, de amor e de harmonia, inspiradas na prática do Evangelho à luz da Doutrina Espírita, em favor de encarnados e desencarnados carentes de atendimento espiritual.

Finalidade
Amparar e fortalecer os carentes de atendimento espiritual e os trabalhadores do Centro Espírita e do Movimento Espírita.

 Participantes
a) Um coordenador.
b) Colaboradores – treinados na irradiação e disciplina mental, para a sustentação vibratória.

Desenvolvimento das atividades
a) Leitura preparatória.
b) Prece inicial.
c) Vibrações.
d) Prece final.
Obs.: Tempo previsto para a reunião: no máximo,uma hora.

Recomendações
a) Utilizar música suave no ambiente.
b) Usar para a preparação do ambiente, de preferência, os livros de mensagens como: Pão Nosso; Caminho, Verdade e Vida; Fonte Viva; Vinha de Luz e Palavras de Vida Eterna.
c) Selecionar e capacitar, continuadamente, os colaboradores que tenham o propósito de ajudar e um perfil adequado para a tarefa: conhecimento evangélico-doutrinário, maturidade emocional, bom senso, afetividade, naturalidade e segurança.

Evangelho no Lar e no Coração

Conceito
É uma reunião privativa de vibração em conjunto para irradiar energias de paz, de amor e de harmonia, inspiradas na prática do Evangelho à luz da Doutrina Espírita, em favor de encarnados e desencarnados carentes de atendimento espiritual.

 Finalidade
Amparar e fortalecer os carentes de atendimento espiritual e os trabalhadores do Centro Espírita e do Movimento Espírita.

 Participantes
a) Um coordenador.
b) Colaboradores – treinados na irradiação e disciplina mental, para a sustentação vibratória.

Desenvolvimento das atividades
a) Leitura preparatória.
b) Prece inicial.
c) Vibrações.
d) Prece final.
.
Recomendações
a) Utilizar música suave no ambiente.
b) Usar para a preparação do ambiente, de preferência, os livros de mensagens como: Pão Nosso; Caminho, Verdade e Vida; Fonte Viva; Vinha de Luz e Palavras de Vida Eterna.
c) Selecionar e capacitar, continuadamente, os colaboradores que tenham o propósito de ajudar e um perfil adequado para a tarefa: conhecimento evangélico-doutrinário, maturidade
emocional, bom senso, afetividade, naturalidade e segurança.

Implantação do Evangelho no Lar e no Coração

1. Conceito
Atividade de apoio à implantação de reuniões do Evangelho no lar e no coração

2. Finalidade
Incentivar e colaborar na implantação do Evangelho no lar junto aos freqüentadores e trabalhadores do Centro Espírita.

3. Participantes
a) Uma equipe, devidamente preparada, formada por um coordenador e visitadores, para prestar atendimento e colaboração na fase inicial.
b) Pessoas interessadas na implantação do Evangelho no lar junto à sua família.

4. Desenvolvimento
a) Reunião preparatória no Centro Espírita com a prece em conjunto e leitura evangélica;
b) Visita aos lares que solicitaram atendimento, realizando o Evangelho no lar conforme o roteiro recomendado no item anterior;

5. Recomendações
a) Realizar a visitação semanalmente ou quinzenalmente, porém sempre em dia e hora fixos
b) Demorar-se nos lares visitados apenas o tempo necessário.
c) Evitar lanches que caracterizem uma obrigação para o visitado
d) Evitar, durante a visita, manifestações mediúnicas
e) Levar livros adequados à tarefa.
f) Convidar a família visitada a participar das atividades que o Centro Espírita realiza: Explanação do Evangelho à luz da Doutrina Espírita; Evangelização Espírita da Infância e da Juventude; Estudo Sistematizado e outras.
g) Manter a visitação até que a família se sinta segura para realizar a reunião.
h) Não permitir a distribuição de doações materiais nesta tarefa.
i) Incentivar e divulgar a realização do Evangelho no lar por meio de folhetos, espaços radiofônicos, revistas, jornais, internet e outros meios de comunicação, evidenciando os benefícios dessa reunião familiar.
j) Esclarecer o caráter espírita do trabalho aos que solicitarem as visitas.