Não é associado? Associe-se
Recuperar minha senha

Resoluções de Ano Novo (por Julia Nezu) Uma teoria científica afirma que o Universo, periodicamente

Autor: Julia Nezu | Publicado em: -


Resoluções de Ano Novo

 

 

Julia Nezu – São Paulo-SP

julianezu@gmail.com

 

 

Uma teoria científica afirma que o Universo, periodicamente, passa por ciclos de expansão e retração. Com o surgimento da Teoria das Cordas um entendimento mais profundo e integrado da Gravidade permitiu que a visão cíclica do Universo progredisse.

 

Na Gênese, de Allan Kardec, no capítulo IX, das Revoluções do Globo, encontramos sobre os movimentos da Terra, cíclicos, referindo-se ao movimento de rotação sobre si mesma em 24 horas, origem do dia e da noite. Há também referência a um terceiro movimento que se completa em cerca de 25.000 anos, ou, mais exatamente, em 25.868 anos, e que produz o fenômeno denominado, em Astronomia, precessão dos equinócios (cap. V, nº 11). 

 

A Terra faz uma órbita elíptica em torno do Sol, conhecida como translação, que leva 365 dias (mais 5 horas, 45 minutos e 46 segundos) para ser completo.

 

O movimento de precessão dos equinócios, em volta do eixo de sua órbita, devido à inclinação de seu eixo, mais especificamente, é o movimento que o Polo Norte terrestre faz em relação ao ponto central da elipse da Terra no movimento de translação, similar ao giro de um pião desequilibrado, durando cerca de 25.800 anos para completar o ciclo.

 

Outro fenômeno é o da nutação, descoberto pelo astrônomo britânico James Bradley em 1728. A causa desse vaivém só foi compreendida muitos anos depois, quando os cálculos de vários cientistas os levaram à conclusão de que era um produto direto da atração gravitacional da Lua.

 

A Terra tem, segundo a Ciência, 14 movimentos diferentes, mas vamos ficar com os acima, que são os mais conhecidos.

 

Ciclos da Natureza

 

A vida na Terra se desenvolve por meio de uma reciclagem constante. Os elementos são continuamente recriados a partir dos átomos que circulam em cadeias biogeoquímicas. Morte, destruição e decomposição são partes de um ciclo que possibilita novas estruturações.

 

Ciclos biogeoquímicos são caminhos para o transporte e transformação da matéria dentro de quatro áreas categóricas que compõem o planeta Terra (biosfera, hidrosfera, litosfera e atmosfera).

 

Tudo na natureza recicla. Nascemos, crescemos, morremos e renascemos —é a lei divina da natureza. Assim é a reencarnação.

Atitudes Transformadoras

 

“Ideia, verbo e atitude exprimem resoluções de nossas almas, a frutificarem bênçãos de alegria ou lições de reajuste no próprio íntimo. Afora tu mesmo, ninguém te decide o destino...” (André Luiz, psicografia de Chico Xavier)

 

O dia começa e termina, assim também a semana, o mês, o ano. Santo Agostinho, em O Livro dos Espíritos, nas questões 919 e 919-a, recomenda uma análise diária das ações do dia, subsídios desafiadores para a nossa reformulação interior.

 

Questão 919: Qual o meio prático mais eficaz para se melhorar nesta vida e resistir ao arrastamento do mal?

 

Resposta: Um sábio da Antiguidade vos disse: “Conhece-te a ti mesmo”.

 

Na questão seguinte, 919-a, o próprio Santo Agostinho oferece alguns meios pelos quais pode o homem conhecer a si mesmo e alcançar a transformação moral, baseando-se no que ele próprio fazia quando na Terra. No fim de cada dia, interrogava a sua consciência, passando em revista o que havia feito, e perguntava a si mesmo se não tinha faltado ao cumprimento de algum dever, se ninguém teria tido motivo para dele se queixar. Fazendo disso um hábito, Santo Agostinho logrou o autoconhecimento, identificando fraquezas e defeitos os quais deveria combater. Ao rever todas as ações praticadas ao longo do dia, perguntava-se o que fizera de bem ou de mal e pedia a Deus e a seu anjo guardião que o esclarecessem. 

 

Assim façamos também nós a busca do autoaperfeiçoamento e estejamos certos de que seremos igualmente assistidos. Indaguemos a nós mesmos sobre as ações praticadas e o móvel das nossas intenções; se fizemos alguma coisa que censuraríamos nos outros ou algo que não ousaríamos confessar. E ainda, façamos a pergunta que Santo Agostinho também fazia: “Se Deus resolvesse chamar-me neste momento, ao entrar no mundo dos Espíritos, onde nada é oculto, teria eu de temer o olhar de alguém?” 

 

Por fim, examinemos se, entre os nossos atos, não houve um sequer que atentasse contra Deus, contra o nosso próximo ou contra nós mesmos! As respostas serão motivo de repouso para nossa consciência ou indicarão um mal que deve ser reparado? 

 

E se há dúvidas quanto ao valor de uma ação nossa, indaguemos à própria consciência como a qualificaríamos se praticada por outra pessoa. Se a censurarmos no outro, não será menos censurada em nós mesmos, porque Deus não usa de duas medidas para exercer sua Justiça. 

 

Procuremos saber o que pensam os outros, especialmente os nossos inimigos, porque estes não têm interesse algum em disfarçar a verdade. E geralmente Deus os coloca ao nosso lado como um espelho justamente para nos advertirem com mais franqueza do que o faria um amigo. O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do melhoramento individual. Se queremos verdadeiramente nos melhorar, submetamos nossos atos ao autoexame, arrancando assim as más tendências do nosso íntimo do mesmo modo como se arrancam as ervas daninhas do jardim. 

 

Recomenda, ainda, Santo Agostinho: 

 

Formulai perguntas claras e precisas e não temais multiplicá-las: pode-se muito bem consagrar alguns minutos à conquista da felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias para ajuntar o que vos dê repouso na velhice? Esse repouso não é o objeto de todos os vossos desejos, o alvo que vos permite sofrer as fadigas e as privações passageiras? Pois bem: o que é esse repouso de alguns dias, perturbado pelas enfermidades do corpo, ao lado daquilo que aguarda o homem de bem? Isto não vale a pena de alguns esforços? 

 

Criamos expectativas de iniciar projetos novos a cada início de semana, de mês e de ano, pois é da natureza humana a necessidade de renovação e de progresso. A nossa vida atual é seguramente conseqüências de nossas ações e pensamentos que cultivamos nesta vida ou trazemos de outras vidas. Somos viajores do tempo e construtores do nosso próprio destino.

Podemos reavaliar-nos constantemente e a cada dia, semana ou ano novo. Será sempre incentivo para refletir as orientações deixadas por Santo Agostinho, acima transcritas de O Livro dos Espíritos. O início de um novo ano sempre é momento para tomar novas resoluções. 

----------------------------------------------------

(box)

Oração no Ano Novo (*)

 

Senhor Jesus!  

Ante as promessas do ano que se inicia, não nos permitas que esqueçamos aqueles com quem nos honraste o caminho iluminativo: 

... As mães solteiras, desesperadas, a quem prometemos o pão do entendimento; 

... As crianças delinquentes que nos buscaram com a mente em desalinho; 

... Os calcetas que, vencidos em si mesmos, nos feriram e retornaram às nossas portas; 

... Os enfermos solitários, que nos fitaram, confiantes em nosso auxílio; 

... Os esfaimados e desnudos que chegaram até nossas parcas provisões; 

... Os mutilados e tristes, ignorantes e analfabetos, que nos visitaram, recordando-­nos de Ti... 

 

Sabemos, Senhor, o pouco valor que temos, identificamos-­nos com o que possuímos intimamente, mas, Contigo, tudo podemos e fazemos. Ajuda-­nos a manter o compromisso de amar-­Te, amando neles toda a família universal em cujos braços renascemos. 

 

(*) Florações Evangélicas. Pelo espírito Joanna De Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco.

 

-----------------------------------

“Seja o que for que peçais na prece, crede que o obtereis e concedido vos será o que pedirdes.” (Marcos, 11:24).

--------------

“Pela prece, obtém o homem o concurso dos bons espíritos que acorrem a sustentá-lo em suas boas resoluções e a lhe inspirar ideias sãs.” - O Evangelho segundo o Espiritismo, Cap. XXVII, item 11.

-------------------------------------